Mothern - Manual da Mãe Moderna

Para comprar o livro
Mothern - Manual da Mãe Moderna:
Matrix Editora
Saraiva
Fnac
Siciliano
Submarino

As 500 melhores coisas de ser mãe

Para comprar o livro
As 500 melhores coisas de ser mãe:
Matrix Editora
Saraiva
Siciliano
Submarino

Mothern no GNT
Para assistir ao programa no GNT:

Terceira temporada
Domingo 03:33
Domingo 17:02
Terça 23:31
Quarta 14:00
Quinta 11:00

Leia e deixe seu recado
Leia e deixe o seu recado

Leia Também
Nossa primeira blogada.
Mothern. Vale a pena ser uma?
A Verdade.
Restaurante com crianças: mantendo a finesse.
Tchau, cocô!
Meu blog, meu filho.
Programas de curumim.
Porque contratar uma mothern.
Abomináveis.
O novo pai.
Unha é útil!
Primeiro Quiz Mothern.
Os piores pais.
Susi Foda.
Meu marido e sua performance.
Manual de convivência com amigas motherns.
Manual de convivência com amigos sem filhos.
A saga da escolha de uma escolinha.
Comendo os convidados.
Cabeleireira por um dia.
Marquinho,o sedutor de menores.
A teoria dos inversos proporcionais.
De mudança.
O que são 2 anos, afinal?
Matemática motherna.
No embalo das cólicas.
Chupeta no lixo.
Post-preguiça-descontrol.
Arquitetura motherna I (banheiros públicos).
Arquiteturamotherna II (hotelaria).
Aunião duradoura.
O comercial que não vale um Danoninho.
Laura, versão 3.3.
Boanoite, Cinderella.
O brinquedo abominável.
Mais lenha para a Borralheira.
Técnicas avançadas de alimentação infantil.
A bolsa mothern.
Cólica ou refluxo?
Só no sapatinho.
Tecnologia a (des)serviço da mothern.
A mascote.
Operação brinco.
De começos e outras dores.
Mau-humor é uma merda.
"Diga-me o que ledes..."
Feira motherna.
O Homem-Banguela.
Organizações Mothern.
Nana neném.
Por quê?!
O poder persuasivo do choro.
Serviço de branco.
A arte de enganar crianças.
Manual Mothern de Sobrevivência I - Reunião de pais.
"...é tarde, é tarde, é tarde."
Manual Mothern de Sobrevivência II - Festinha de Aniversário.
Chove,chuva
Voce sabe que está envelhecendo...
Manual Mothern de Sobrevivência III- Viagem de carro.
A mãe de 30.
Poesia para Dedé.
Rosa, a cor suprema.
Não é a mamãe!
A menina de tres.
Síndrome da Proximidade das Férias.
O verão para as grávidas.
Hey, mister DJ!
A comida ambulante.
Babáou escolinha?
Cagada no clube.
Deupositivo. E agora?
SociologiaMotherna
Para entender as mães.
A Fal e os livros.
O segundo filho.
Muito além da Susi.
O dia da posse.
Koan
Truques bizarros para adormecer crianças.
Porque não ver o filme da Xuxa.
Para entender as mães II.
Ligada ou desligada?
Diálogo motherno.
Condicional.
Festa de 1 ano.
O resguardo.
Fimde caso.
Para os 10 anos do menino.
Não-post.
Todos os nomes da coisa.
Ensinando a pedalar.
Recaída.
Um post de carnaval.
Desejo de grávida.
A arte de receber com crianças em casa.
XY.
Manual de convivência com amigos sem blogs.
Diálogos do casamento I.
Paras empre.
Diálogos do casamento II.
Hai Kai da Alice.
Manual de Convivência com Amigos Blogueiros.
A mãe-adolescente.
Pânico I - a mancha.
Drops Kids.
Talk Sex with Flávia Johanson.
Artigos de luxo para a infância do séc. XXI.
Abril.
De quem é o meu peito?
Técnicas de escovação dental infantil.
20 dicas para o Dia das Mães.
A mãe lesada.
Guia de Sobrevivência Mothern IV - Viagens de trem.
Mulheres Admiráveis I.
A mãe criança.
3 dicas rápidas para o banho do seu filho.
O menino nota 10.
Pequenos prazeres femininos I.
E assim se passaram 3 anos.
Flagrante de uma não-mothern.
Chatos convictos.
A menina que vive num musical.
Educação sonora.
Clube da Luta.
Mamãe é uma festa.
Sexta-feira, Clarice e algo mais.
Carta aberta ao presidente da CBF.
Guilherme Augusto Araújo Fernandes.
Dia de sol. Noite sem luz.
Elogio ao não.
As flores do bem.
Na verdade.
Chá de bonecas.
Passou, passou.
Poema da Fal para a Nina.
Ô Cridê!!!
Na feira com a Helô.
It's okay.
Pensando bem.
Primeiro Glossário Mothern.
A mãe superintendente.
Rimando.
Bloody sunday.
No elevador com a Moema.
The Great Fashion Disaster.
Escravizados por um ursinho azul.
A Outra.
O pai que não ajuda.
ARTI ou o Artesanato Reciclado Tosco Infantil.
Viajando sozinho(a).
É possível, sim.
Filha de peixe...
A mulher que se apaixonou pelos peixes.
Tody, o cão emprestado.
Dá pra ser.
Mulheres admiráveis - II.
Viajando com a Zara.
Dicionário Bernardês-Português (por Pedro Vittiello).
A Arca de Laura.
Racionamento.
Manual Mothern de Sobrevivência V – Organização de festas infantis.
O homem de 40.
Não tem comparação.
Eu, não.
Asilo GrandMotherns.
A incrível receita salvadora do Leite de Cereais.
Minha professora Geralda.
A Síndrome do Sapo Cantor.
TPM ou Como aproveitar um dia de fúria.
Não estamos grávidas.
Coca-cola é isso aí.
Economia motherna I – Produtos genéricos.
Os shows da vida.
Unplug and play.
Carol é vítima da moda dos outros.
A criança indobrável.
Manual de sobrevivência Mothern VI – Férias escolares.
Disney, sempre assim.
Estive na Bahia e antes não tivesse me lembrado de você.
Pequena advertência Mothern.
Então é Natal.
Matrioshka.
Fim de ano na moita.
Tomé, quem?!
Má-mãe ou A culpa também é uma merda.
Alê e o brinquedo de castigo.


Escreva sua opinião, comentário, sugestão etc.

motherns@hotmail.com


Outros Blogs
alice
afrodite
ask the dust
a teus pés
bloggete
blowg
brazileira preta
colega
copy & paste
daniel galera
daniel pellizzari
delicias cremosas
drops da fal
enigmatic mermaid
el latin lover
fel
fezoca's blurbs
gente
full giu
heranças
historias, estorias e afins
interney
internetc.
kaleidoscopio
lado b
lets blogar
luisa
malgardee
mario av
marketing hacker
moshi moshi
mosteiro virtual
mui gats
mulherzinha
mundoperfeito
nadas
oba fofia
o relicário
plenamente
rendição
síntesedas antíteses
speed log
sub rosa
the obvious?
wumanity
zamorim
zel


Alguns Sites
02 neuronio
adbusters
baderna
clube do bebe
corre cotia
palavra cantada
tpm


Jabá dos Maridos
Ki-Aikidô
Massive Reggae


Foto das Motherns
Márcia Charnizon


Blog Design
Laura Guimarães


Programação
Giuliana Xavier


Arquivos


ATOM FEED



This page is powered by Blogger.
 

29.11.02:::
 

Mamãe vai ali e já volta...

Preocupada em controlar os outros eu já era, antes mesmo da Alice nascer. Mas agora, com família, filha, blog, blogs-filhotes e amigos on-line à rodo, a tendência se cristalizou, virando quase uma neurose. E como estou saindo de férias hoje, e estarei pouco acessível para cuidar de vocês, vou deixar aqui uma lista de recomendações básicas, que eu espero que sejam cumpridas à risca durante minha ausência, tá?

. De vez em quando, lembrem-se de mim e sintam saudades. Esta é a preocupação número 1: não se esqueçam de mim só porque estarei num paraíso tropical sofrendo com dilemas cruciais do tipo “será que agora eu quero nadar na praia, na piscina ou no rio?”, “será que peço mais uma porção de camarão ou mais uma dose de caipirinha?”. Apesar de atormentada por essas preocupações, eu não vou esquecê-los!
. Continuem nos visitando. A Laura vai estar sozinha no comando da casa, então apareçam para dar uma força e deixar palavras de incentivo, tá?
. Não se envolvam em barracos e discussões enfurecidas nos Livros de Visitas da vida. Eu não quero perder nenhum capítulo dessas novelas, então vamos combinar que os blogs amigos deverão entrar naquele período conhecido como “barriga”, quando nada muito interessante acontece, de forma que eu não fique tão desatualizada.
. De vez em quando, mandem mensagens saudosas para meu e.mail de férias.
. Não inventem encontros no mundo real sem a minha presença por aqui. Vocês não imaginam quantos loucos andam à solta por esta rede. Pode ser perigoso. A exceção permitida são os encontros diurnos das mães-desesperadas-porque-não-sabem-mais-o-
que-fazer-para-curar-o-tédio-de-férias-dos-filhos. Aí é caso emergencial, eu entendo.
. Vê se ninguém mais engravida antes de eu chegar. Esperem a minha volta, porque eu quero ser a primeira a saber. Já basta a Cris, que hoje me apunhalou pelas costas (mas mesmo assim eu vou trazer uma lembrancinha da praia para o seu leonino, viu?!).
. Também não lancem livros durante o período, para eu não ficar de fora das noites de autógrafos. Viu, Fal?
. Não abusem das drogas, das bebidas alcoólicas, do sexo selvagem, das horas navegadas, dos posts quilométricos e de todos esses vícios diários nos quais eu só acho graça se estou envolvida. Ah, e claro: desinstalem o MSN Messenger! Agora!
. Para finalizar, deixo para vocês a recomendação máxima, a palavrinha-chave que nenhuma mãe esquece nestes momentos: “JUÍZO, heim?!”

Fui!

: : Ju, já de havaianas nos pés e num bom-humor totalmente insuportável : :


5:31 PM

 

Gabriela chega da escola sofrendo de tps, tirana. A mãe faz as vontades. Põe, tira, lava o prato. O pai corta a comida. Ela manda descortar. Ela chora, berra. A paciência acaba. Ela é levada para o quarto. Fechamos a porta.
Nina, do alto dos seus seis anos, comenta:
_Que almoço desagradável...

: : Laura : :


1:40 PM

28.11.02:::
 

Atenção, atenção:

É amanhã a 11ª edição do Buy Nothing Day.
Será que você consegue passar 24 horas sem comprar nada?

Mais informações aqui.

...

E já que o assunto é por aí, nada como abrir sua caixa postal e dar de cara com isso:

"Vocês já repararam que os pães têm vindo cada vez mais sem miolo?
Percebi isso ao preparar ontem à noite um sanduíche e, diante de um ataque de consciência-mesquinhez, decidir retirar o miolo, de maneira a deixar o pãozinho de sal com o mesmo tanto de calorias que uma fatia de pão integral light - conforme reza o Vigilantes do Peso. E qual não foi minha frustração ao verificar que simplesmente NÃO HAVIA MIOLO A SER RETIRADO!
O que me fez pensar em como a gente é bobo, a gente e os Vigilantes do Peso, porque afinal de contas é sempre aquela história de partículas sub-atômicas definindo a forma, muito mais do que a massa. Uma questão de aglomeração e distâncias, não de privação.
Mas fazer o quê, a vida é assim mesmo, e há também as sincronicidades, os sinais e as evidências. De maneira que fui dormir achando que as pessoas também estão cada vez mais desmioladas. Digo: dentro, um vazio. Disfarçado pela casca."


Para se cadastrar na lista dos Desvarios de Patrícia, e receber esse tipo de biscoito fino por e.mail, é só pedir. Imperdível!

: : Ju : :


5:53 PM

27.11.02:::
 

A nossa querida Evelyn escreveu sobre ciúmes entre irmãos. Vai ler que tá muito bonito. E útil.

: : Laura : :


8:30 AM

 

Mulheres e meninas

Adoro mulheres. Sempre tive amigas, sempre gostei de estar com elas, conversar e rir muito. Falar de homem. Falar de cabelo. Falar de trabalho. Falar de filhos. Não sou daquele tipo que desconfia sempre e odeia e põe defeito nas outras, as rivais e traiçoeiras (tudo bem, só umas poucas).
Apesar de não ser a mais mulherzinha das garotas, de ainda ter coturnos, não saber cozinhar e raramente fazer as unhas, curto o meu lado boneca. Tenho meninas e gosto disso. Elas têm arquinhos, bolsas e batonzinhos. Um espelho pra cada uma. Roupas cor-de-rosa.
Mas hoje foi difícil ver a mais velha sentada no chão, tristíssima, por causa do cabelo que não estava bom nesta manhã chuvosa. Agüentar o meu bad hair day já é foda, mas sofrer com o da filha dá muita raiva.

: : Laura : :


8:01 AM

 

Eu corro o risco de perder o modern do mothern aí de cima. Ou da Nina Lemos nunca mais me chamar de amiga na revista. Ou da Angela me deserdar. Ou da Clarah não me ler mais. E o resto provavelmente vai protestar contra o sistema anti-cópia do cd.
Os trocadilhos são infames. “Mary Cristo” não entraria nem na Palavra Cantada. A moça tá grávida, mas frases como “dentro da placenta do planeta azulzinho” não têm explicação. (Sim, pieguice é uma das contra-indicações da maternidade.)

Mas eu vou dizer assim mesmo, é mais forte que eu: eu adorei o Tribalistas.

Se você também gostou, confesse. Cá pra nós: tem coisa melhor do que cantar alto, tipo sing along, que você já sabe namorar?

: : Laura : :


7:06 AM

25.11.02:::
 

_Mãe, tem umas escolas que são assim tristes, olha só esses nomes: Padre Machado, Não-sei-o-quê Sagrado... por que isso, mãe?

Eu só expliquei depois de rir muito.

: : Laura : :


5:47 PM

 

É difícil postar quando:

.você não está a fim de falar de criança
.seus amigos, conhecidos, sua mãe, seu chefe, seu marido, seus tios, seus alunos, todo mundo lê seu blog e você já não pode falar mal de ninguém
.você tem mil outros blogs legais pra ler
.é dia de comentários
.você tem que trabalhar muito
.você tem que estudar muito
.você tem que preparar aula
.seu marido disputa o seu computador com você
.faz calor e venta
.você está dispersa
.e o que mais te move não deve ser dito.

: : Laura : :


2:08 PM

22.11.02:::
 

Pesquisa

Nossa amiga Giu está realizando um trabalho de faculdade sobre sites para bebês.
Para isso, está fazendo uma pesquisa sobre o perfil dos leitores do Mothern. Você também pode ajudá-la, respondendo (anonimamente, não se preocupe) a este questionário aqui.

Muito obrigada!

: : Ju : :


8:31 AM

20.11.02:::
 

Passada a copa do mundo, passadas as eleições, o Zamorim voltou a falar das filhotas. E que delícia de ler.

: : Laura : :


10:19 AM

 

A Ana, sem querer, criou :

Técnicas heterodoxas para a alimentação saudável infantil

“ (...)nesse final de semana elas inventaram que queriam comer tofu. Agora, eu me pergunto onde é que ela aprendem essas coisas? Pq eu fumo dois maços de Malboro vermelho por dia, como carne feito um lobo, batatas fritas a mancheia, cheesetos, tudo que não presta e essas meninas foram sair assim, naturebas de tudo, mamão em vez de sorvete, suco e nunca coca cola, uma coisa muito esquisita. A Fal diz que a Ju deve mandar e-mails escondido pra elas dando as coordenadas da naturebice, eu não sei. Sei que esse foi o final de semana do tofu, comeram, adoraram, deram pro cachorro da vizinha, pra gata, pras bonecas, amaram, querem mais e eu fiquei ali, fumando meu cigarrinho e me preguntando, onde diabos foi que eu errei. Não sei, Fa', Mi, acho que é encosto, feito o da novela das oito.”

Eu morri de rir e repensei meus sacrifícios.

: : Laura : :


10:07 AM

 

Ainda sobre o assunto babá, estou envolvida na criação de peças gráficas para o programa para Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção do Adolescente no Trabalho Doméstico. Tenho lido histórias tristes (e muito comuns) sobre meninas pobres, vindas do interior, “criadas” por uma família, num regime de exploração, trabalhando na casa como adultas e recebendo como crianças, sem direito trabalhista nem tempo para estudar ou brincar.

A situação é dura de combater porque é socialmente aceita e tem raízes históricas na cultura do país que mais importou escravos no mundo. Com tanta pobreza, parece absurdo atacar um trabalho que garante a sobrevivência de uma pessoa. O buraco é mais embaixo, sim, existem casos bem piores, como o das crianças no narcotráfico ou na prostituição. Mas é isso aí. É polêmico mesmo. Cartas para a redação.

: : Laura : :


8:31 AM

 

Outro dia rolou no guestbook uma conversa sobre a eterna dúvida de onde deixar as crianças: na escolinha ou com a babá/empregada. O que eu vejo como vantagens da escolinha sobre a babá são:

. a criança está num ambiente mais estimulante do que em casa e o contato com outras criancas costuma ser rico e prazeroso
. na (boa) escolinha, as pessoas que cuidam das crianças têm formação adequada para esta função
. a pessoa que trabalha na sua casa geralmente tem outras tarefas a cumprir, a não ser que você tenha duas serviçais
. seu filho não fica viciado na situação de ter uma criada, uma pessoa à disposição (já presenciei várias cenas de crianças tratando muito mal suas babás/empregadas)
. seu filho pode ter contato com uma cultura que não te agrada: começa a falar errado, aprende a dança da motinha ou vê a novela das seis.

Por outro lado, na escolinha:

. você gasta mais dinheiro.
. quando fica em horário integral, a criança pode ficar estressada, entediada, cansada e sentir falta de um cantinho seu, onde não tenha que disputar espaço
. você tem menos controle sobre os horários, alimentação, etc etc
. você não pode ligar a toda hora para falar com seu filho
. crianças pequenas ficam mais expostas às doencinhas, pelo contato com outras crianças
. ficam mais expostas também a mordidas, tapas, arranhões, tombos
. você tem que levar e buscar.

Existem escolas e escolas. Existem casos cabeludos de babás, assim como existem babás maravilhosas, competentes e carinhosas. Esse é, com certeza, o maior dilema que a mãe enfrenta quando volta a trabalhar. Existindo a possibilidade, eu acho que as pessoas deveriam tentar fazer o que eu não fiz: parar de trabalhar por um tempo maior do que o da licença, buscar um meio horário, ficar pelo menos um ano mais perto do bebê. É uma fase cansativa, mas deliciosa. E passa muito rápido.

: : Laura : :


8:11 AM

 

Negões, neguinhos, neguinhas, nigrinhas, negonas, mulatas, moreninhos, pardos, pretos, pretas, pretinhas, azuis, escuras, escurinhos,  morenas, crioulos, crioulas, retintos, de cor, seguinte: hoje é o Dia Nacional da Consciência Negra, falou?

: : Laura : :



8:04 AM

19.11.02:::
 

Segundo o comercial: o novo Biotônico Fontoura é sem álcool!
Quer dizer então que aquele xaropinho inocente que minha tia nos dava na infância era com...
Tá explicado.

: : Laura : :


11:43 AM

18.11.02:::
 

Ótimo link para grávidas e recém-paridas:
Amamentação Online: uma idéia que a gente apóia sempre.

: : Ju : :


10:42 AM

 

Tempos modernos II
(ou Viva a Revolução Feminista)


E hoje, chegando ao trabalho, encontro uma colega que teve bebê quatro meses atrás saindo do berçário aqui do lado. Eu pergunto, e ela me explica que a licença-maternidade acaba esta semana e hoje é o primeiro dia do bebê ali. Ela engole seco e deixa escapar duas lágrimas.

Definitivamente, não é fácil, não.

: : Ju : :


10:19 AM

 

Tempos modernos
(ou o segundo pecado)


Coisa mais triste que eu acho é isto:
você freqüenta sempre a mesma padaria. Um dia vai lá, faz um lanche que soma R$5,02. E a dona da padaria te cobra cinco reais e dois centavos, mesmo ficando quase sem dinheiro trocado no caixa.
Mas é assim mesmo. Se o valor fosse R$4,98 talvez eu também esperasse o troco.
Estamos todos apodrecendo em vida.

: : Ju : :


10:01 AM

17.11.02:::
 

TPM

.Eu costumo comprar a revista com capa de moço bonito, mas dessa vez eu preferi a genial boneca inflável
.eu não sou disso, mas gargalhei vendo o último Asterix com Leo e as meninas
.eu costumo chorar no cinema, mas não derramei uma lágrima pelo lindo Fale com Ela
.eu não costumo chorar pelas coisas da vida real, mas solucei com a história da menina atacada pelo cachorro
.eu não costumo ter simpatia por cães, mas estou gostando muito de Geraldinho, um grande e doce golden órfão de pai
.eu não costumo ir ao teatro, mas hoje vou ver Partido
.eu gosto desses caras, mas achei o especial na tv um grande sonífero.

Eu costumo ser chata, mas esses dias estou insuportável.

: : Laura : :


6:12 PM

14.11.02:::
 

A Angela escreveu assim:
"Eu, ao contrário do Grouxo Marx, tive um tempo que teria adorado encontrar um clube que me aceitasse como sócia."

E veio a Fal:
"êê Ângela, vc acaba de contar a história da minha vida. E eu nunca achei. Batia lata por aí, sempre sozinha. Aí, eu achei o Aleh, há três anos. E a gente virou um clube, só nós dois. E foi maravilhoso. É maravilhoso.
E agora eu achei vocês, meninas do meu coração. A gente sai no soco, se entende mal, retira o que disse, dá nos nervos umas das outras, manda foto, diz as coisas mais delicadas do mundo, têm gestos de delicadezas que eu nunca esperei fazer ou receber, aconselha, dá esporros, batiza filho, se mete, palpita, ri da coca cola (ou o suco de capim, no caso da Ju) sair pelo nariz, se perde, se acha, se perdoa, morre mãe, morre pai, perde neném, ganha neném. Acho, sério, que a gente não parou pra pensar de verdade no quanto a gente tem juntas. No valor disso na importância e na seriedade disso. Na sorte que a gente tem. Eu, graças a deus, achei uma turma. Quando pensei que tava muito velha pra turmas, vcs todas, amadas (Vera, vc tamém!!!!) desabaram no meu colo. Dou graças a deus todos os dias."

E nós ficamos muito emocionadas. De verdade.


11:29 AM

 

Por falar em blogs, dia desses entrou um novo estagiário aqui na agência que me reconheceu por este blog! Não é divertido, isso?!
Claro que o rapaz também era blogueiro. O blog dele é este aqui, bem legal! Tem até link para o Bolo'Bolo, um delicioso texto subversivo que eu adoro acreditar que fui eu quem descobriu e pôs pra circular por aí.
Afinal, tem alguém na rede mais fã da Sônia Hirsch do que esta que vos fala?!

: : Ju : :


9:20 AM

 

A Adriana está presenteando os blogs que ela gosta com uma série de fanarts. Corujice à parte, o nosso é o mais lindo!
Obrigada, Dri!

: : Ju : :


9:06 AM

13.11.02:::
 

Programa mothern obrigatório em BH é a exposição sobre Drummond
Ptyx: o poeta fala ao menino que conversa com o poeta,
dirigida principalmente às crianças, no Palácio das Artes.
Fica até 1º de dezembro.

: : Laura : :


9:17 PM

 

Cumprindo o combinado

Achei lá no Daniel uma listinha de diretórios onde você pode cadastrar o seu blog:

O Ponto de Encontro dos Blogueiros do Brasil
BlogBrasil
Blogwise
TopLinks
Blog-se
DirLog.

: : Laura : :


9:16 PM

12.11.02:::
 

A comida ambulante.

Vendo as fotografias do aniversário de um amigo, onde eu fui domingo, deparei com uma imagem bizarra: no canto de uma das fotos, Alice agachada brincando com alguma coisa no chão, perto da piscina, e eu em pé, ao lado, segurando um prato de comida. O dela, é claro. A ficha caiu na hora: eu embarquei na perigosa armadilha da comida ambulante!

É assim: seu filho cresce e já consegue perfeitamente segurar um talher com as próprias mãos e se alimentar sozinho. Mas não consegue se concentrar no assunto, visto que há coisas muito mais interessantes para se fazer na vida do que ficar parado em frente a um prato de comida (e nisso eu também concordo). A mãe zelosa tenta apelar para técnicas avançadas que sua amiga ensinou – que realmente rendem mais quatro ou cinco colheradas, até que a criança enche o saco de vez, se levanta da mesa ou de onde estiver e vai dar prosseguimento à árdua tarefa de descobrir o mundo (ainda com o bucho vazio, segundo os critérios da mãe). A mãe zelosa, contrariando a regra básica da natureza – segundo a qual o homem tem que correr atrás do seu alimento, e não o alimento correr atrás do homem – segue a criança com o prato de comida na mão, tentando aproveitar qualquer brecha das brincadeiras para enfiar as colheradas que faltam goela abaixo da cria.

É uma armadilha perigosa. Uma vez que a criança descobre a comodidade da comida ambulante, reluta cada vez mais em perder seu precioso tempo à mesa. Para quê? Se minha comida me seguisse por onde eu vou, provavelmente também aproveitaria o breve intervalo de almoço para fazer coisas mais divertidas. E a pobre mãe desavisada vira uma refém, levando a comida aonde a cria está, seja na beira da piscina de um sítio de amigos ou em lugares bizarros como o banheiro de casa, os jardins de um restaurante, a portaria do prédio... Em todas as vezes, a mesma promessa: “eu não vou cair nessa de novo, se quiser comer ela que venha até aqui”.

Mas a menina não vem.
...e não está tão magrinha, a coitadinha?!

: : Ju : :


9:57 AM

8.11.02:::
 

Hey, mister dj...

Você é um cara legal. Entre o tímido e o blasé, um tipo macho-cool bastante interessante. Você tem boa cultura musical e ostenta a superioridade peculiar aos jovens (e a outros nem tanto) homens que entendem de alguma coisa. Você tem orgulho de ter estado nos shows certos na hora certa, de ter gostado da banda certa desde o seu primeiro vinil obscuro. Você tem um certo desprezo pelas concessões pop que muitos artistas fazem. Você gosta do pop certo. Quase nada aconteceu depois dos Ramones e dos Cramps. (Fora o reggae, mas essa é outra história.)

Então. Suas filhas também gostam de música. Muito. E, apesar dos protestos, o que mais rola na sua casa é um cedezinho pirata, de produção honesta mas medíocre, com cinco garotas na capa, os ídolos atuais das meninas. E você flagra, mais de uma vez, sua mulher contarolando distraída o refrão grudento de Ragatanga.

É, Leo, é a vida...

: : Laura : :


8:01 AM

 

Flying Horse

2002 é o ano do Cavalo, disse o horóscopo chinês ou coisa parecida. Disseram também que o Cavalo traria mudanças, grandes reviravoltas na vida das pessoas. Eu não acredito muito nisso, mas presto atenção, just in case.

E olha, foi uma mudança atrás da outra, desde janeiro. Aconteceram tantas coisas, boas e más, que por mim o ano do Dragão (ou qualquer que seja o bicho que vem) já podia entrar.
No mesmo ano: eu mudei de casa, saí de um emprego de cinco anos, mudei de profissão, virei professora, virei free-lancer, virei blogueira, fiquei sócia da Ju, fiz um milhão de amigos, voltei a estudar, perdi um amigo querido, um mês depois perdi outro amigo querido, virei part-time mother, minha rotina mudou toda, meu marido virou mestre, mudou de emprego, a seleção foi penta, eu elegi um presidente, minha última avó morreu, minha irmã se mudou e eu tive a certeza de que meus pais se mudaram de vez.

Mas agora eu cansei. Sério. Alguém aí pára o ano do Cavalo que eu quero apear.

: : Laura : :


8:00 AM

5.11.02:::
 

Adoramos essa listinha da Cibele, deu a maior vontade de ficar grávida de novo. (Calma, maridos. Como disse a Giu: passou logo.)

O verão para as grávidas =

# sentimento de culpa por não aguentar usar as meias kendall por causa do calor
# processo digestivo de aproximadamente 11 horas (sem azia)
# processo digestivo de aproximadamente 15 horas (com azia)
# crise de guarda roupa elevada a enésima potência
# brindar o ano novo com suco de laranja sem gelo e sem açúcar
# dormir a noite toda de lado (lado esquerdo), mesmo que esse canto da cama já esteja fervendo
# nariz sangrando
# suar e ficar com respiração ofegante só de pentear o cabelo
# pernas inchadas
# não conseguir se depilar sozinha porque tem uma barriga na frente
# cãimbras
# não poder viajar porque desenvolveu dependência física da obstetra

O verão para as grávidas (nem tudo são trevas) =

# poder usar mini blusa e calça baixa porque a barriga está sempre durinha!!!
# ter uma barriga que se move sozinha
# não pegar fila no banco
# o marido da gente aprender massagem para os pés
# fazer topless porque a médica recomendou
# gastar o dinheiro das férias com a decoração do quartinho
# deitar na rede para sonhar com a Maria Cecília
# poder colocar os pés para cima em qualquer ambiente
# o chefe ter pena da gente.


7:44 AM

4.11.02:::
 

Nove, oito, sete...

O fenômeno é totalmente burguês, eu sei, exclusivo das classes médias assalariadas, porque pobre não tem dessas frescuras. Mas como é sasonal e infalível, e como eu estou exatamente passando por isso, não posso ignorá-la:

“A Síndrome da Proximidade das Férias.”

Ela começa aproximadamente 1 ou 2 meses antes do início previsto para as suas férias propriamente ditas. Alguns sintomas podem aparecer até antes. E vão-se agravando dia a dia, deixando sua vida em um grande compasso de espera insuportavelmente estressante. Veja como identificá-la:

. Seus nervos estão à flor da pele. Até parece TPM, mas não passa com ela. A SPF só passa no dia em que suas férias começam. Aliás, mentira. Mesmo nas férias, você vai precisar ainda de alguns dias para realmente começar a relaxar e curtir.
. Você e seu marido começam a rosnar um para o outro por qualquer bobagem, seja o penteado da caçula, a preguiça incorrigível do mais velho, a programação da TV. E, ao final, as pazes sempre vêm seguidas por explicações como “desculpa, é que eu tô precisando mesmo de férias...”.
. As crianças, mesmo as menores, parecem indiretamente afetadas pelo mal, e ficam mais chatas e enjoadas do que normalmente.
. Acumulam-se pendências em sua agenda, num ritmo absurdo. Renovar a carteira de motorista. Ir ao dentista. Ao ginecologista. Fazer o freela. Pagar as multas do carro. Visitar sua amiga que se casou há 5 meses e você ainda não visitou. Visitar os bebês de amigas(os) que tiveram bebês...
. Alguns projetos são automaticamente adiados, porque afinal de contas as férias estão chegando, deixa para pensar nisso depois das férias. Estão nesta categoria coisas do tipo “começar yoga”, “parar de beber”, etc.
. Todas as suas compras são feitas pensando nas férias. E seu guarda-roupa novo se resume em shortinhos, camisetinhas, vestidinhos de alça e toda a sorte de modelitos altíssimo verão, afinal, “é para usar nas férias”...
. Você tem que conciliar suas mil-e-uma tarefas do dia-a-dia com preocupações extras, decorrentes da proximidade das férias, como “retornar o e.mail da agência de viagens”, “lembrar de depositar a primeira parcela das passagens”, “lembrar de avisar o depto. pessoal da empresa”, “reativar meu hotmail de férias”.
. Tudo na sua vida daí pra frente passa a ser dividido entre antes das férias/depois das férias.
. Você passa a viver em contagem regressiva.

Eu, por exemplo, estou escrevendo este texto a exatamente 26 dias e 11 horas do início das minhas férias. E confesso que tá difícil pensar em outra coisa...

: : Ju : :


12:54 PM

1.11.02:::
 

O post que estava aqui em breve estará no livro Mothern - Manual da Mãe Moderna.


12:16 PM